sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Escorreguei

                                                                                                         

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Escolho o meio ...



Olá, bateu aquela saudade desse meu, seu, nosso espaço. De poder falar dessa forma,de falar de maneira diferente, de criar, transmutada e cheia da minha essência. 
Passei a semana pensando sobre conflitos relacionados a comunicação. De como estou me comunicando de uns tempos pra cá, principalmente depois da massificação do facebook.
Vou falar mais sobre. Por enquanto escolhi voltar, mesmo que seja pra partir um dia,e estou feliz ... e no caminho do meio. 
Um beijo em todxs.

domingo, 28 de outubro de 2012

Era o quarto confidente



Durante os meses que se passavam, cheios de suor e gotas de vida, colchões esparramados e paredes esfumaçadas, o devir de almas estava ali. Leny passara, então a respirá-las. 
I need your love, I need your love, era a canção que ecoava quando sentava sua existência dentro da caixa de mortos. Fúnebre tesouro dos que passaram instantes, momentos, gozos e lágrimas. 
Hoje, após o almoço, quando Tom se despediu e subiu desenfreadamente para fazer a cesta; Leny permaneceu intacta. Hipnotizada e cheia de fumaça, Leny parecia estátua viva, moribunda de olhos abertos e ressacados. Era a visão. Sem nem imaginar o porquê de tantas situações constipadas, de conta-gotas de felicidade falsa, ela mergulhou na visão. Ficou horas sentada na cozinha que o sol já nem estava mais em casa. Nada de martelos e olhares inseguros, nada de faíscas dilacerantes, nenhuma sensação de peito cheio. Era ar. Era sede e fome. Sem cócegas, sem suspiros, agora era só enxergar.
Tom, nem pensou em acordar Leny, tinha medo de que ela pudesse com o susto do despertar, nunca mais poder voltar a ser o que era. E era certo isso. Não poderia deixar sua cinderela presa em uma cadeira, mirando outro mundo no escuro a noite toda. Entrelaçou-a nos braços fortes e grandes, e subiu as escadas que rangiam a delicadeza dos seus passos, cuidadosamente, para não despertar sua donzela. Acendeu o abajour de luz azul e apagou a vela de sete dias com um sopro estúpido. Deitou Leny nos nos colchões que estavam no sóton durante meses, cheios de poeira e liberdade. 
Mais parecia um funeral com um cadáver vivo, adormecido, que uma garota embriagada num sono profundo. Com cheiro de vela apagada, era um aniversário que se ganhava. Leny não gostava mesmo desse dia libertador. A cada ano que fazia, encontrava mais ainda vontade de ser árvore, imóvel e existente. Talvez  porque era isso que lhe era prometido, num futuro mais que certo. Ser e estar.

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Amor de Gato

Um filhote de gato ajuda a vivenciar o estado da TPM. Nico me deu na medida certa, todas as coisas que precisa para aliviar as oscilações hormonais e deixar meu dia mais lúdico e poético, não só melancólico e solitário. Existiram momentos de rispidez, uma agressividade ingênua, quase que desenfreada, cheia de arranhões, mordidas, coices e mais coices ... Num profundo encontro, nós dois lutamos porque precisávamos. Amor!

sexta-feira, 23 de março de 2012


sexta-feira, 9 de março de 2012

Mundo Imagem (1)

Mundo Imagem!
Seja bem vindo a grande fabrica de ilusões ... aqui tudo é possível ... sim, um amor, uma paixão, uma atração, uma fuga, uma busca por identidade, uma reviravolta no seu trabalho, uma oportunidade de divulgação, uma possibilidade de emprego, uma cura espiritual, uma necessidade sexual, uma visibilidade dos seus desejos.... 
verdade? isso não existe mais ... depois que o mundo se bipolarizou ... isso aqui não é mais possível!E sabe porque você não paga pelo sistema? porque você é o próprio produto!


A GRANDE FABRICA DE ILUSÕES CHAMADA INTERNET E REDES SOCIAIS!

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Liberta-te



Hoje acabei com nós dois.
Deixei o sexo de vez
Me procuraram pra fazer sexo, você, eles e elas.
Todos estão me procurando.
Não quero mais sexo
Não quero mais molhar minha vagina com carne e suor
Hoje senti vontade de deitar no coração
Não havia coração
Habitei meu pensamento, então
Reneguei o espasmo da paixão,
deixei suja minha roupa, mas limpei minhas mãos
Abracei a minha linda condição
Reconheci meu poder sexual,
minha  divindade madura se aflorou
Conheci todas as formas e gostos,
Beijei seus lábios envenenados,
lambi o sumo do seu membro
Não encontrei o amor que procurava,
 o aconchego do olhar, nem o calor da sua alma
Todos me buscaram pra fazer sexo
Meu ego, meu sexo, minha existência
Se refez, se fortaleceu
E eu não estou seca
Somente esperando o amor chegar!
 (Santos - 21-02-02, 02:22)

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

todas as imagens estão me cegando.
eu que amo tanto ver, contemplar, capturar e sentir ... não consigo nem ao menos olhar fixamente pra qualquer imagem congelada. 
Sangro! 

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Corro, logo escapo



Escarro o gosto fétido do seu beijo;
que dilacera a alma mais branda 
e acalma a mais devastadora tempestade.
Nunca mais!
É por isso que vivo,
pra não querer mais o véu de noiva
que um dia me sufocou.
Enquanto padeço ao lado da sua estátua,
me vejo dançar a ultima valsa sozinha.
Não suporto mais, 
e não deixo mais que esteja assim,
farto e feroz.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Engolindo Faíscas (voltando do interior paulista)



escapo e volto
uma vez, duas vezes
nunca mais esqueci de olhar o sol ...
agudo é o vento.
pesado é o tempo.



quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Silêncio



(suspiro)


palavras expressadas, respirando algo a perceber ...

não que se saiba, mas que se note ... tome nota. 

suspiro também é doce, desmancha na boca, adoça a 

vida. Com café uma boa companhia ... 

Suspire, que é pro nosso peito travado também dar sinal 

de vida, seja o que for, catástrofe, dança, fenômeno 

sobrenatural, que seja intenso, pra bem ou mal. 

Tome nota, passe o café ... Respire seu aroma, reflita 

sobre o tempo, contemple o vapor, seja lá o que for, 

tudo tem algo a dizer. Suspire na angustia, respire a dor.

Mas nunca esqueça da alegria e do prazer. Porque o 

tempo está em movimento. Que pra além de respirar, 

fazer 

rir ou doer, a vida enfim, e temos que admitir, taí pra 

gente viver. 

(suspiro)

+_+


por Lucas Duarte 

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

domingo, 15 de janeiro de 2012

Um apelo significativo



Eu preciso pensar
Eu preciso pensar
Socorro
Socorro
Eu preciso pensar

O árduo exercício de compartilhar mundos.



O grande barato da vida é compartilhar. 
Quando você compartilha suas experiências, vivências, gostos, modo de vida e história com outras pessoas, pessoas novas e diferentes de você, consequentemente você expande seu pensamento; sua vida ganha novos horizontes e você acaba não se sentindo sozinho no mundo. 
Compartilhar é ceder, é doar e receber, é construir a partir disso, é somar, multiplicar. Oferecer sua atenção ao que o outro tem a partilhar, e vice-versa. Observar outro ponto de vista. 
Pra que o compartilhamento de vidas aconteça é preciso respeitar o que o outro tem a contar, a expor. É muitas vezes esperar; respeitar o momento de se colocar. 
É um exercício diário pensar que podemos nos permitir e construir a partir da junção de experiências já vividas. Poxa, o mundo é tão grande! 
Quando existe a empatia, o que facilita na comunicação, o compartilhamento se faz mais suave, não esbarra tanto na vaidade humana. A grande dificuldade é compartilhar deixando de lado as competições morais, sociais, existenciais, ideológicas, emocionais. 
Construímos e foi construído em nós certas barreiras, como se fossem fronteira, onde só podemos interagir com os nossos mesmos, com o familiar, com o que conhecemos. Talvez porque em algum momento da vida fomos "longe demais" e nos perdemos no processo, nos ferimos em algum obstáculo, em alguma diferença imposta e criamos escudos. 
Aí voltamos e ficamos cercados no que nos protege, ou seja, nosso mundo já construído, nossa memória, nossas relações estabelecidas. O medo de ir, de se permitir, de se colocar junto ao outro faz com que permaneçamos, fincados na nossa moral. Que graça tem a vida?
Compartilhar é interação. É conhecer e vivenciar as coisas novas a partir das experiências vivenciadas. 
Sair do meu mundo e conhecer o mundo do outro. Quando eu voltar pro meu mundo com certeza voltarei modificado e isso me faz ser outro, ser um ser somado e não apenas ter o outro, dominar o diferente. 
Tava aqui refletindo sobre a antropologia, e o significado existencial dela na minha vida.Não como disciplina, que nasceu pra dominar, mas o que vivenciar o outro implica naquele quem se dispõe a isso. Viver antropologicamente é um exercício de sabedoria.  Espero viver mais antropologicamente daqui pra frente. 
A qualidade das vidas só tende a crescer.
Bom final de domingo
Saudade desse espaço, vou voltar mais vezes
Kiu! 

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Àgua Pesada (baseado na obra Àgua Viva de Clarice Lispector



… Desabou
sem mais o que fazer.
Resignar-se.
Compreender à ausência.
Navegar em àguas pesadas,
Àguas são como vento
O deslize da terra.
É o fogo que se alastra.
A impermanência da Natureza
tolice conter
De bobagens é nutrido o ter
Não reprima o não querer
o querer não se é mais,
Não tens força suficiente para controlar nada!
Só deixe ir!
É selvagem e de veludo, assim deve ser.
E de olhos fechados
hoje seu destino é você
Sua vontade é estar,
Com missão de resistir!
Quedas e desastres acontecem
Insustentável, que flui …

sexta-feira, 8 de julho de 2011

A beleza da destruição.

Eis que o homo-sapiens conseguiu produzir beleza na sua máquina de destruição de TUDO! Mas esqueceu que a máquina é feita de NATUREZA! ...

domingo, 12 de junho de 2011

quarta-feira, 1 de junho de 2011

o que importa nisso tudo? (parte 1)


Durante essa semana tive várias surpresas ...
Segunda feira fui demitida da escola particular, não me surpreendi porque estava substituindo uma professora que tinha caído da escada da escola e quebrado o pé. Fiquei 3 meses nesse Colégio, foi uma experiência nova, pois nunca tinha dado aulas em escolas particulares e nem ministrado aulas de geografia pra ensino fundamental. E é bem nisso que quero chegar, como os nossos adolescentes, por mais endiabrados, respondões e escalafobéticos, no sentido exagerado de se expressar, são altamente carinhosos, sensíveis. E não sei por que, senti isso com essa turma fantástica. O 9º ano quando soube que eu não mais voltaria, demonstrou todo seu carinho, e além disso, me mostrou que gostaram das aulas. Eu encanada, perguntei: "pô vcs só gostam de mim e das aulas?" uma aluna, que sei  que tem alguma dificuldade de se expressar escutou e disse: "não professora, a senhora explica bem, e é legal, agente te ama". Eu chorei!
Outra aluna completou: "professora, fica tranquila que a gente vai fazer greve pra senhora voltar! (haha) que lindaaaa!!! 
Eu disse várias coisas, daquelas que agente fala pra quem gosta, confesso que tentei falar algumas coisas que levo comigo, por exemplo em respeitar a diferenças das pessoas, essas coisas que acho que vocês sabem que eu penso e tento por em prática ... 
Eles ficaram me ouvindo, foi incrivel porque não fizeram a algazarra que sempre faziam hahaha ... e eu disse: hoje vcs podem conversar a vontadeeee!!! E eles queriam me ouvir ... acho que sentirão saudades, assim como eu deles ...

terça-feira, 12 de abril de 2011

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Clarice Lispector in Aprendendo a Viver



Então isso era a felicidade. De início se sentiu vazia. Depois os olhos ficaram úmidos: era felicidade, mas como sou mortal, como o amor pelo mundo me transcende. O amor por essa vida mortal a assassinava docemente aos poucos. E o que é que se faz quando se fica feliz? Que faço da felicidade? Que faço dessa paz estranha e aguda que já está começando a me doer como uma angústia e como um grande silêncio? A quem dou minha felicidade que já está começando a me rasgar um pouco e me assusta. Não, ela não queria ser feliz. Por medo de entrar num terreno desconhecido. Preferia a mediocridade de uma vida que ela conhecia. Depois procurou rir para disfarçar a terrível e fatal escolha. E pensou com falso ar de brincadeira: “Ser feliz? Deus dá nozes a quem não tem dentes.” Mas não conseguiu achar graça. Estava triste, pensativa. Ia voltar para a morte diária.


domingo, 20 de março de 2011

BICICLETADA EM SANTOS



TODA ULTIMA SEXTA-FEIRA DE CADA MÊS OCORRE A BICICLETADA EM SANTOS COM PROPÓSITO DE SUBVERSÃO DOS ESPAÇOS E DESOBEDIÊNCIA CIVIL. POIS AS RUAS E OS ESPAÇOS PÚBLICOS SÃO DE TODXS!!!
VENHA PEDALAR E TOMAR AS RUAS ... ELAS TAMBÉM SÃO SUAS. 
É REVOLTANTE TER QUE DISPUTAR ESPAÇOS URBANOS ... ELES SÃO DOS RICOS, DOS POBRES, DOS CACHORROS E GATOS, DA SENHORINHA, DOS CARROS, DOS ONIBUS, DOS CARRINHEIROS, DOS CICLISTAS...  
DE TODXS!!!!!!


CONCENTRAÇÃO NA PRAÇA DAS BANDEIRAS - GONZAGA - SANTOS - ÀS 18:00H
TRAGAM MATERIAIS PARA CONFECÇÃO DE CARTAZES (CARTOLINAS, PAPELÃO, CANETÃO, TINTAS, CABO DE VASSOURA ETC) 


UMA BICICLETA A MAIS = UM CARRO A MENOS!!!!


http://www.facebook.com/event.php?eid=175550722491361

quinta-feira, 17 de março de 2011

A ditadura do bom gosto ou o poder dos Senhores?????



Hoje, em um dos terceiros, daquelas salas lotadas .... a molecada torando o funk no celular. 
Isso me lembrou uma coisa: que todas as musicas de funk da atualidade q toca aqui na baixada santista tem a mesma batida, unica e exclusiva batida, é a mesma melodia em todas as músicas, em todos os grupos ... é sempre aquilo: "Pá pá páárá prum pum pá ...... Pá pá páára prum pum pá. Eu confesso que não sei as letras ... mas não é possível que todo mundo anda ouvindo uma única música de funk de todo o brasil inteirooooo!!!
Eis, que estou passando de carteira em carteira para "vistar" os cadernos, fim de aula, todo mundo agitando-se e a músiquinha chata lá, sendo mais uma vez tocada, em alto e péssimo som ... AAAAHHHHHHH!!!! NÃO AGUENTO MAISSSS!!!! DESLIGA ESSA PORRA!!!!! (sim, eu gritei assim) .... na hora os alunos que estavam envolta da porcaria do celular (pq o proprio cria vida ... passa de mão em mão ... ninguem sabe de onde vem ... personifica-se ) disseram: PÔ A PSÔRA É ROQUEIRA ... BOTA UM NIRVANA AÍ PRA ELA!!!!  Não falei nada porque estava irritada ainda com a porra da musiquinha maldita que me persegue nas ruas dessa cidade. 
Da fileira do meio, no meio da fileira, estava a musiquinha e os seus seguidores ... eu chego até a fileira da janela nas duas ultimas carteiras, dois meninos, um deles esperando eu vistar, com fone de ouvidos pendurado na gola da camiseta .... eu ouvia ruídos pesadosssss, distorçõessss .... Bem séria perguntei: O QUE VOCÊ TÁ OUVINDO? ............ é rage professora. 
RAGE? RAGE AGAINST THE MACHINEEEEE????
NÃO ACREDITOOOO!!!!!!
PARABENS PELO MARAVILHOSO GOSTO!!!!!
Os dois sorriram deliciosamente pra mim, como num aconchego, num encontro....
 - Valeu psôra!!! =DDD





domingo, 6 de março de 2011

ApatiA No!

Apatia No - Contra Ti Capitalismo
Hardcore Punk pesado da Venezuela!
disseminando ideias que possam aglutinar forças nessa Guerra!
\o






A Solidariedade faz a resistência!!!!

ACTITUDE MARIA MARTA - RAP FEMININO ARGENTINO DE ALTA QUALIDADE!!!


O Sistema


"O Homem fez o dinheiro, agora o dinheiro faz o homem".




O capitalismo não é selvagem ... por que ser selvagem implica pureza de instintos, busca pela satisfação imediata das necessidades, primitivismo natural. Existem tais sentimentos no capitalismo? Não!
Estamos dentro dele ... e mesmo que queiramos fugir, nos libertar, não-ser ... ele nos aprisiona, por que nós sentimos dor quando não estamos financeiramente estabelecidos, sentimos desespero quando as turbulências de um mês conturbado se aproxima.
Pode ser banal tal discussão, pode ser clichê ... mas quando se tem a experiência, se passa por uma situação em que o Sistema mostra a verdade que ele sustenta: que vc é um lixo, todas as suas ideias, pensamentos, sentimentos e atitudes são descartáveis e desnecessárias. Matar a sua fome e a da sua familia, pagar o aluguel da casa onde vc vive, tomar uma cerveja, buscar diversão. Tudo isso é uma grande mentira se vc não possui uma unica e exclusiva COISA: la plata, dinheiro, money, acué ....
Esse texto é um escarro ... uma reflexão ... que dá margem pra inumeras outras ... e que vou cuspindo conforme meu humor e minhas necessidades ...
Sigo na batalha ... pq isso é uma guerra!
Existe solidariedade?
SIM!
É a unica coisa que esse Sistema produz de positivo ... solidariedade entre os seres ... se colocar no lugar do outro ...
Fica a dica ...
Abraços fraternos e saúde para poder continuar 


guerreando!

sábado, 5 de março de 2011

Bicicletada Especial




Em solidariedade ao atropelamento da bicicletada de Porto Alegre e também em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, Santos está organizando uma edição especial da BICICLETADA no próximo dia 8 de março, terça-feira de carnaval.



Para quem não sabe, na última sexta-feira, 25 de fevereiro, centenas de ciclistas foram vítimas de atropelamento enquanto realizavam a bicicletada na cidade de Porto Alegre. (http://www.videosdebicicleta.com.br/tag/atropelamento-bicicletada/).


Quem quiser saber mais sobre o caso, pode acessar: http://massacriticapoa.wordpress.com/





No entanto, esse é apenas um caso extremo que ilustra o ódio de tantxs motoristas que circulam por aí com seus carros achando que a rua lhes pertence. O que todxs precisam entender é que o espaço público é de todxs e que essa segmentação é apenas mais uma das opressões a que estamos acostumados. 




Como acreditamos que as opressões vem basicamente do mesmo foco, achamos pertinente reunir as lutas e sairmos às ruas, ocupar os espaços e reivindicar aquilo que nos é tomado diariamente. Nada melhor que o 8 de março para isso! Um dia marcado por luta e memória, que tem sua importância na visibilidade da questão de gênero.



Vale lembrar que a mulher ainda é vítima de violência única e exclusivamente por conta do que carrega no meio das pernas; e que ainda recebe menor salário desempenhando a mesma função de um homem; ainda enfrenta dupla - e tripla! - jornada de trabalha por conta da não divisão de tarefas e segmentação dos gêneros; ainda morre por conta de abortos ilegais; e mais uma extensa listas de aindas que brecam a vida de mulheres e homens por conta de uma sociedade machista, patriarcal e opressora.



Então, nesse 8 de março, pegue sua bicicleta e vá para a praça das bandeiras às 16h. Não esqueça de levar material para produzir cartazes. Leve cartolinas, cabos de vassoura, tintas, canetas, máscaras, apitos, pandeiros, etc. Vamos fazer muito barulho e - por que não? - aproveitar o ritmo de carnaval. "Se eu não puder dançar essa não é minha revolução" 




BICICLETADA em Santos

8 de março, terça de carnaval

16h na praça das bandeiras



compareçam - divulguem - enviem pras suas listas - publiquem no seu jornal - avisem seus amigos


Texto: Marcela Mattos


quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Clarice em mim ...




Não me prendo a nada que me defina! Sou companhia mas posso ser solidão... tranquilidade e inconstância, pedra e coração. Sou abraços, sorrisos, ânimo, bom humor, sarcasmo, preguiça e sono. Música alta e silêncio! Serei o que você quiser, mas só quando eu quiser. Não me limito, não sou cruel comigo! Serei sempre apego pelo que vale a pena e desapego pelo que não quer valer. Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato... ou toca, ou não toca!´ Clarice Lispector.

sábado, 19 de fevereiro de 2011

pequena reflexão sobre a tua ausência


É o corpo 
Esse que soluça e clama 
É o copo
Aquele companheiro desorientado, irremediável que sei
É a noite
Essa insolúvel espera e busca 
É a lua
A parceira leal, acalenta a angústia da tua ausência.

sábado, 29 de janeiro de 2011

do kaos à vida!

                   
A cada àtomo uma célula
A cada célula um ser
A cada ser um humano
A cada humano uma pessoa 
A cada pessoa um mundo
A cada mundo um universo
A cada universo uma diferença
A cada diferença uma bomba
A cada bomba uma morte
A cada morte uma vida
E a cada vida, uma flor 
Que floresce em seu túmulo.

(poesia da banda    Estilhaços de ÓDIO - Araçatuba - SP)


                                 

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Pina Bausch - para Marcela Loureiro Alves

Dedico essa postagem a grande bailarina,  minha amiga-irmã Marcela Loureiro Alves, que me mostrou o que é sentir a dança, a expressão do corpo como manifestação da alma. Duende!

Pina Bausch

do Hierosgamos, sobre um espetáculo de Pina Bausch:
"(um casal no palco, com forte sotaque estrangeiro)
— Você acha que eu tenho sotaque? — ela pergunta, reforçando o óbvio. — Posso te amar por um dia?
E ele, categórico: — Não.
— Posso te amar por um minuto?
— Nãããão.
— Posso te amar por 30 segundos? (última tentativa)
— Está certo... — ele concilia — pode, mas só por 30 segundos (ela começa a beijá-lo, enquanto ele olha o cronômetro).
— Mas você vai... contar o tempo????????"



Feitiço da Vela Preta para energia e vitalidade.

29 de dezembro de 2010 - 2:35h


Acendi uma vela preta, a azul clara deixei sobre o para-peito da janela. Deitada na cama, com a eletricidade desligada segurei o castiçal da vela preta e descansei-o sobre meu estômago. A chama da vela me hipnotizou instantaneamente que não pude nem ao menos questionar sobre o fato de levar a vela até meu corpo. Me recolhi. O fogo dançava pra mim. Começa minhas manifestações de poder. Evoco saúde pra segurar meu corpo e minha mente ... sabedoria pra discernir, entender, aceitar e modificar.
Energia ... Energia ... Energia ...
Todas as forças presentes na cor preta. Entrando pelo meu Segundo Chakra - Esplênico - o meu umbigo, se espalhando pelas minhas vias, minha cidade, meu ambiente, meu organismo vivo e  pulsante. Me curei, me energizei.
Que assim seja, que assim se faça!!!
(feitiço da vela preta pra energia e vitalidade - construído por acaso, espontaneamente)

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Rodeio, nessa ideia eu sapateio.





Já que estou refletindo sobre meus anos em Rio Preto - SP, estava vendo uns cartazes de manifestações anti-rodeio que rola e rolava naquela região. Incrível como a cultura viva dessa festa exploratória se faz presente no universo das pessoas do interior. Os araçatubenses, os riopretenses, os marilienses, entre outros enses sabem bem a quantidade de dinheiro que é arrecadada nessas épocas, a politicagem que come solta, são vereadores, deputados estaduais, prefeitos, empresários, mídia, agricultores, coronéis, ou seja, uma grande manipulação da elite interiorana para a realização de mais uma edição de tortura aos animais. Tudo para que? para satisfazer a superioridade do ser homem sobre o ser animal. Mas que estupidez!
Grande parte da cultura jovem dessas cidades interioranas se voltam pra esse evento com a mesma lógica do mesmo: explorar ao máximo TUDO! É extremo o consumo de álcool e drogas e batidas de carros, rachas por avenidas movimentadas. A trilha sonora, meus queridos, se fosse Tião Carreiro e Pardinho, como faziam nossos avós, seria a unica coisa que salvaria. Mas não é. Nunca mais foi! Não adianta remixarem sertanejos de raiz que não terá mais a mesma simbologia; aquela "cultura sertaneja do interior".
Mas, se há opressão, há resistência.
Rio Preto, nunca deixou de mostrar suas margens, suas raizes e de causar tempestades ... o interior é seco, é árido, é forte! Deixo vocês com um pouco do que Rio Preto e Região já fizeram pelos que resistem a dor da opressão. Um grande abraço ao Bi que segue na luta e tá abrindo trilhas pelo blog http://anarcopunkinterior.blogspot.com/








São alguns anos apenas ... e um grande acumulo de experiência ...



Dezembro ... esse mês é complexo na minha vida, sempre foi, nasci dele, nele. Quando era criança lembro que odiava fazer aniversário. Como as férias de escola caiam sempre nesse mês, e nunca fui uma criança de muitos amigos, sem muita criança por perto, as crianças que faziam parte de mim eram as que estudavam comigo. Morava num prédio, no centro de São José do Rio Preto-SP, muitos idosos no prédio, tinha amizade com os velhos e velhas que frequentavam minha casa por causa de minha avó. Me perguntava: poxa por que fui nascer dois dias antes de acabar o ano? Porque eu tinha que esperar o ano inteirinho passar pra fazer aniversário, bem no penúltimo dia do ano. Não achava justo! hehe o  meu aniversário era o começo e o fim. Cabeça fértil de criança. 
As pessoas lembravam através de ligações, eram sempre tias e tios, primos, familia, alguns amigos. Tive aniversários marcantes: aos 15 me tatuei pela primeira vez, aos 18 consegui reunir amigxs  nesse mesmo apartamento, e fazer uma comemoração junkie, que rendeu uma advertência no começo do ano. 
Quando fui pra faculdade, em Marilia, comecei a entrar nessa mesma lógica da infância, meus aniversários não poderiam mais ser comemorados, meus amigxs eram os que estavam de férias, sempre que chegava as férias na faculdade eu entrava em pânico, sem saber o que iria fazer e as mudanças que eu teria que enfrentar em um lugar que não era mais meu, não estava mais me acolhendo, não tinha muitas ligações mais com Rio Preto, e isso me fez mal, se pudesse hoje encontrar meus antigos companheiros, ganharia o melhor dos presentes. 
Mas, voltando aos anos de minha existência ... logo menos desabo mais um pouco ...
(continua ... )









Linkwith

Related Posts with Thumbnails